domingo, 2 de novembro de 2014

Dedução e indução



Edward Hooper





Para começar, é comum distinguir dois tipos diferentes de validade. Para compreender isto, considere-se as seguintes três inferências:
  1. Se o ladrão tivesse entrado pela janela da cozinha, haveria pegadas lá fora; mas não há pegadas lá fora; logo, o ladrão não entrou pela janela da cozinha.
  2. O João tem os dedos manchados de nicotina; logo, o João é um fumador.
  3. O João compra dois pacotes de cigarros por dia; logo, alguém deixou pegadas na parte de fora da janela da cozinha.
A primeira inferência é muito clara. Se as premissas forem verdadeiras, também a conclusão terá de o ser. Ou, para colocar as coisas de outra forma, as premissas não podem ser verdadeiras sem que a conclusão também o seja. Os lógicos chamam às inferências deste tipo dedutivamente válidas. A inferência número dois é algo diferente. A premissa fornece claramente uma boa razão a favor da conclusão, mas não é completamente conclusiva. Afinal de contas, o João podia simplesmente ter manchado as mãos para fazer as pessoas achar que era fumador. Logo, a inferência não é dedutivamente válida. Costuma-se dizer que as inferências deste tipo são indutivamente válidas. Pelo contrário, a inferência número três parece ser bastante má sob quaisquer padrões. A premissa parece não fornecer qualquer tipo de razão a favor da conclusão. A inferência é inválida — tanto dedutivamente como indutivamente. De facto, uma vez que as pessoas não são idiotas completas, se alguém realmente oferecesse uma razão como esta, presumiríamos que havia uma premissa extra que essa pessoa não se tinha dado ao trabalho de dizer (talvez alguém entregue ao João os seus cigarros através da janela da cozinha).
A validade indutiva é uma noção muito importante. Raciocinamos indutivamente a toda a hora; por exemplo, ao tentar resolver problemas como a questão de saber por que motivo o carro avariou, por que razão está uma pessoa doente, ou quem cometeu o crime. O lógico ficcional Sherlock Holmes era um mestre nisso. Apesar disso, historicamente, tem havido um maior esforço na tentativa de compreender a validade dedutiva — talvez porque os lógicos tenham sido em geral filósofos ou matemáticos (em cujos estudos as inferências dedutivamente válidas têm uma importância central), e não médicos ou detetives.                          
                                                                               Graham Priest, Lógica: Para começar





Dedução

Um argumento é dedutivamente válido quando é impossível que a conclusão seja falsa se as premissas forem verdadeiras


Validade formal – resulta da forma lógica
(argumentos válidos ou inválidos)
Indução

Um argumento é indutivamente válido quando é improvável (mas não impossível) que a conclusão seja falsa se as premissas forem verdadeiras


Validade informal - 
(inferências indutivamente válidas ou inválidas - argumentos fortes ou fracos)




Sem comentários:

Enviar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...