quinta-feira, 9 de abril de 2020

O que é a arte? - Teorias não essencialistas


Andy Warhol (1928-1987) | Brillo Box (3 cents off) | 20th Century ...
Andy Warhol, Caixa de Brillo



Teoria Institucional



               Teorias não essencialistas:

As teorias não essencialistas defendem que não é possível encontrar propriedades intrínsecascomuns a todas as obras de arte, que só elas possuam.
A arte não se define por propriedades intrínsecas às obras de arte, mas por propriedades extrínsecas relacionais.

           

        Texto 1


[…] Tendo reparado nas insuficiências das teorias essencialistas, alguns filósofos da arte, como Morris Weitz, abandonaram simplesmente a ideia de que a arte pode ser definida; outros, como George Dickie, apresentaram definições não essencialistas da arte, apelando, nesse sentido, para aspetos extrínsecos à própria obra de arte; outros ainda, como Nelson Goodman, concluíram que a pergunta “O que é arte?” deveria ser substituída pela pergunta mais adequada “Quando há arte?”. Serão estas teorias melhores do que as anteriores? Aí está uma boa razão para não darmos por terminada esta tarefa.
                                                                                     Aires Almeida, O que é a arte?

          
           Questões:

           1. A partir do texto, mostre o que distingue as teorias não essencialistas da arte, das teorias                       essencialistas.



            Teoria Institucional


Algo é arte se e só se é um artefacto que possui um conjunto de características ao qual foi atribuído o estatuto de candidato a apreciação, por uma ou várias pessoas da instituição do mundo da arte.



          Texto 2
Suponhamos que se recolhe um pedaço de madeira flutuante e, sem o alterar de forma alguma, o usamos para cavar um buraco ou brandi-lo perante um cão ameaçador. O pedaço de madeira inalterado foi convertido em ferramenta ou arma pelo uso que lhe foi dado. […] em nenhum dos casos o pedaço de madeira é por si um artefacto. O artefacto, em ambos os casos, é o pedaço de madeira manipulado e usado de um certo modo.                                                                                                                                    
                                                                     George Dikie, Introdução à Estética

           


Esta definição apresenta duas condições necessárias e conjuntamente suficientes:

1 - A obra é um artefacto (em sentido lato)

Para além dos objetos materiais produzidos ou transformados pelo homem, são também artefactos:
  • Movimentos, coreografias, notas musicais… 
  • Objetos que não foram produzidos, ou cujas propriedades formais não foram alteradas  pela intervenção de um ser humano, mas que em determinados contextos, por serem usados de determinada maneira, adquirem o estatuto de artefacto.
2 - A atribuição do estatuto de candidato a apreciação a um conjunto das suas características, por uma pessoa (ou conjunto de pessoas) que atua em nome do mundo da arte.

mundo da arte é uma instituição social, no contexto da qual há lugar a atribuições de estatuto, por parte dos seus representantes.



     
        Condições necessárias e suficientes:
       

Esta definição apresenta duas condições necessárias e conjuntamente suficientes:

1 - A obra é um artefacto (em sentido lato)

Para além dos objetos materiais produzidos ou transformados pelo homem, são também artefactos:
  • Movimentos, coreografias, notas musicais… 
  • Objetos que não foram produzidos, ou cujas propriedades formais não foram alteradas  pela intervenção de um ser humano, mas que em determinados contextos, por serem usados de determinada maneira, adquirem o estatuto de artefacto.
2 - A atribuição do estatuto de candidato a apreciação a um conjunto das suas características, por uma pessoa (ou conjunto de pessoas) que atua em nome do mundo da arte.

mundo da arte é uma instituição social, no contexto da qual há lugar a atribuições de estatuto, por parte dos seus representantes.





           Texto 3 -  A Teoria Institucional da Arte


[…] A teoria institucional da arte surgiu na década de sessenta, tendo sido sustentada por George Dickie. Essa teoria enfatiza a importância da comunidade de conhecedores de arte na definição e ampliação dos limites daquilo que pode ser chamado de arte. Dickie define a obra de arte como um artefacto que possui um conjunto de aspetos que lhe conferem o status de candidato à apreciação das pessoas da instituição do mundo da arte. A importância disso pode ser ilustrada pela obra de Alfred Wallis. Wallis era um marinheiro que nada entendia de arte e que aos 70 anos, após a morte da esposa, decidiu pintar barcos na madeira para afugentar a solidão. Casualmente, dois pintores de passagem pelo lugar gostaram de suas telas e o descobriram como artista. Como resultado as obras de Wallis podem ser hoje vistas em vários museus ingleses. Como disse um crítico, Wallis tornou-se um artista sem sequer saber que era.

Há duas objeções principais à teoria institucional. A primeira é que ou os entendidos em arte decidem o que deve ser considerado uma obra de arte com base em razões ou o fazem arbitrariamente. Se eles o fazem com base em razões, essas razões constituem uma teoria da arte que não é a teoria institucional. Assim, alguém poderá dizer que os quadros de Wallis apresentam excelentes combinações de cores aliada a simplicidade formal. Mas essa é uma maneira de dizer, por exemplo, que eles possuem forma significante. Nesse caso a teoria institucional colapsa em outras conceções acerca do que é a arte. Suponhamos agora que os entendidos em arte decidam o que deve ser considerado obra de arte arbitrariamente. Ora, nesse caso não fica claro porque devemos dar qualquer importância à arte. Uma objeção adicional seria a de que a teoria institucional é viciosamente circular. Obras de arte são definidas como objetos que são aceites como tais pelas pessoas que entendem de arte; e as pessoas que entendem de arte são definidas como as que aceitam certos objetos como sendo obras de arte.

                                                           Cláudio F. Costa, Teorias da Arte, in Crítica



      Questões:

     1. Mostre como o exemplo das obras de Wallis pode ilustrar a definição de arte, segundo a teoria              institucional.


   2.  A partir do texto, que objeções se podem colocar à teoria institucional da arte?


        Texto 4



O núcleo fundamental do mundo da arte é um conjunto vagamente organizado […] que inclui artistas[…]produtores, diretores de museus, visitantes de museus, espectadores de teatro, jornalistas, críticos, historiadores da arte, teóricos da arte, filósofos da arte e outros. São estas as pessoas que mantêm em funcionamento o mecanismo do mundo da arte, permitindo assim a continuidade da sua existência.
                                                                                George Dikie, O q







Sem comentários:

Publicar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...